17 de janeiro de 2012

Resenha: Dying Fetus em Recife


O ano de 2012 começou brutal na capital pernambucana! pois, mais uma vez a Burn Productions uniu forças com a Hate Music para trazer a Recife um grande show, desta vez com um dos maiores expoentes do Brutal internacional, o Dying Fetus!

Os Americanos do Dying Fetus desembarcaram em Recife na sexta feira, 13 de Janeiro, logo após tocar em Buenos Aires (Argentina) e no Rio de Janeiro. Os americanos são famosos pela extrema técnica com os seus intrumentos, unindo essa vituosidade com a brutalidade do Death Metal que fazem desde o início dos anos 90.

Infelizmente, o trânsito em uma parte da cidade não me deixou assistir a aparesentação do Antropofagia, mas chegando ao Burburinho pude ouvir comentários positivos sobre o show deles. Quando os bangers de Recife chegavam ao local do show podiam perceber que rostos novos estavam presentes na noite, isso porque caravanas e/ou pessoas sozinhas vieram de vários partes do Nordeste para prestigiar o primeiro grande show do ano em Recife. A principal das caravanas foi a de Natal/RN que trouxe dezenas de bangers potiguares, dentre eles podia ser visto integrantes de bandas como o Expose Your Hate e Sanctifier! Até mesmo uma pessoa vindo do sertão pernambucano foi prestigiar o evento.

Antropofagia

O Decomposed God subiu ao palco apresentando sua nova formação; Estreando o baterista Davi Souza, que com 18 anos de idade (mais novo que a própria banda) mostrou que tem muita competência para estar no posto deixado por Wagner Campos. o Show da banda foi energético, apesar de por dois momentos eles pararem de tocar por algum problema técnico que não consegui identificar, acredito que algo com o som, os deixando somando as duas paralisações, mais de cinco minutos sem algum acorde. Aliás o som do Burburinho não é lá essas coisas, em alguns momentos era difícil ouvir alguns intrumentos em ambos os shows, pois a bateria estava sobrepondo todos os outros instrumentos. Falhas da casa de show. Mas isso não tirou o brilho da volta aos palcos depois de longos meses dos maiores representantes do Death Metal pernambucano. Uma das músicas que mais empolgou o tímido público foi a "Bestiliaty", faixa-título do último CD da banda, que fez os bangers abrirem uma das poucas rodas vistas durante a apresentação. O Decomposed ainda apresentou uma música inédita, aos dizeres de André Valongueiro "em 2012 vem aí o novo CD do Decomposed God", agora é esperar a promessa se concretizar! Parabéns a banda por mais uma apresentação memorável na cidade que os criou.

Depois de alguns minutos da apresentação dos pernambucanos, os americanos do Dying Fetus já apareceram para o público, subiram ao palco e sem nenhum Roddie começaram a ajustar tudo para o show. Diferente de outras bandas internacionais que tocaram no Recife, eles não tiveram nenhuma introdução ao concerto, dessas que faz o público entrar na expectativa do que estar por vir. Apenas subiram, afinaram os instrumentos e mandaram ver! O Burburinho estava com lotação máxima, bangers de todo o Nordeste, isso deixou o caldeirão fervendo. O local é extremamente quente, e tem apenas alguns ventiladores que só aquecem as laterais da casa. Mais uma falha da casa de show. Mas é claro que isso não influenciou em nada a impecável apresentação dos americanos. Desfilando virtuosidade, calando a boca das pessoas que dizem que um gênero como o Brutal é feito por pessoas que não sabem tocar bem e partem para este lado. O Dying Fetus é uma das bandas mais técnicas que já tocaram por aqui, mas quem foi para o show para apreciar o som, acabou tendo um pouco de dificuldade pela pouca qualidade do som do Burburinho, porém, os quem foram para curtir a pegada do Dying Fetus, bateram muito a cabeça e detruíram tudo nas rodas que se estenderam durante a apresentação de um pouco mais de uma hora dos americanos. A banda tem mais músicas para bater cabeça ao invés de fazer roda, mas quando o vocalista John Gallagher pedia para o público instigar era imediatamente obedecido! Foi incrível ver centenas de pessoas balançando as cabeças sincronizadamente, juntamente com a banda que também "bangeava". O baterista Trey Williams era o mais entusiasmado da banda, sempre se levantando e animando o público. Vozes diziam "sonho realizado", "não acredito que estou aqui", estas frases resumem o sentimento dos bangers que tiveram esta única oportunidade. Uma música que em particular quase levou o Burburinho a baixo foi "Praise The Lord", faixa de abertura do clássico disco da banda "Destroy the Opposition", Quando Jonh anunciou que ela era a próxima a ser executada, gritos ecoaram e logo nos primeiros riffs uma grande roda se abriu. Esse foi o momento inesquecível da noite, daqueles que será lembrado durante anos.  Ainda, Na noite pode ser visto rostos importantes para a cena pernambucana como Paulo André e Bruno Nogueira, ambos do Abril Pro Rock, além do jornalista Iuri Moreira. Os três não costumam frequentar qualquer show de Metal pela cidade, então, pode-se perceber a magnitude do evento!

Produção e o Dying Fetus

Um imenso parabéns a Alcides e Marco que foram impecáveis em mais uma organização dedicada a cena do Metal recifense. Os problemas citados como o calor é algo que o Burburinho tem que rever, mas não tirou nem um pouco o brilho dessa dupla. Os bangers esperam mais shows da The Burn Productions e da Hate Music!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se gostou da postagem, tem reclamação ou alguma sugestão. Comente!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...