9 de outubro de 2010

Entrevista: Beast Conjurator


Uma das bandas locais que surgiram para o underground com ótimos comentários a seu respeito,  Sendo a banda do mês aqui no blog. com uma proposta mais velha guarda (Old school), fazendo um verdadeiro Death Metal, cru, sem frescura e direto. Com muito horror e morbidez, num Death Metal, Gênero que no underground atual carece de bandas do estilo ou de bandas que exercem bem o gênero.

O Beast Conjurator acaba de aterrorizar cidades como: Recife/PE e Campina Grande/PB, futuramente irá massacrar Natal/RN e promete a cada dia ajudar a perturbar mais e mais mentes alheias com seu som e letras!
Certamente o futuro dessa banda será grandioso, pois a banda já demonstrou ter talento no som que propôs a fazer.


Renato Batista - Primeiramente, Como surgiu o Beast Conjurator?  A idéia inicial sempre foi fazer um Death Metal old school?

Opressor -  Opa Renato, como vão as coisas? De início, o Beast Conjurator  era para ser apenas um projeto,  a minha idéia era gravar, lançar, e pronto. O nome que eu pretendia dar pra parada era "Weird", depois veio "Conjurator", mas como já tem uma banda com esse nome, foi acrescentado o Beast na frente. Eu já tinha 8 músicas prontas quando contactei Chakal (Bonebreaker) pra me dar uma força na batera. Logo após o primeiro ensaio Chakal demonstrou interesse em participar mais intensamente do projeto, não apenas como um baterista convidado, mas como um membro de fato, integrado de fato a coisa toda. Passamos aproximadamente 6 meses ensaiando e discutindo quais seriam os rumos que iríamos tomar, quando decidimos chamar Satyr (ex-vocal do Stormblood, banda local que eu também tive o prazer de tocar, que foi pro espaço esse ano) pro baixo. Desde sempre o meu intuito com o Beast Conjurator  foi  o de fazer um som  numa linha primitiva, ríspida, agressiva e mórbida, não gosto muito desse termo "old school death metal", tocamos DEATH METAL e tipo, foda-se; quem achar que death metal é um estilo que se resume apenas a levadas  Blasting Beats ,vocal cavernoso e guitarras afinadas lá embaixo, está renegando 25 anos de história desse estilo. Acho que o death metal também pode ser isso, mas não pode ser resumido a isso; afinal, Possessed, Hellhammer, Poison (ale), Pestilence, etc já faziam death metal, o próprio Sodom, Sepultura e Slayer  se auto intitulavam death metal nos seus seus primeiros discos... sinceramente, acho que no fim das contas o que verdadeiramente importa é a música, e forma pela qual os integrantes da banda a interpretam....essa parada de rótulo é muito relativa, e vai muito da maneira como o ouvinte interpreta o som que está ouvindo etc, alguns amigos que nos ouviram acharam Death metal, não só pela sonoridade, mas também pelas letras, eu também já achava, então tocamos death metal.


Renato Batista - O por que desse nome?

Opressor – Como eu disse acima, iria ser "Weird", depois "Conjurator",mas Conjurator já existia, então coloquei o Beast na frente e ficou tudo ok. Uma razão ou motivo pra isso? Sei lá, acho natural rolar esses nomes porque curto muita que me remete sempre a idéias voltadas a esse universo do macabro, anti-teista, que envolve o heavy metal.  Independente disso, é um nome que de alguma forma traduz nossa música e letras.


Renato Batista - Qual são os objetivos principais da banda?

Opressor -  Além de revelar aos seres humanos as mensagens secretas do apocalipse, pretendemos ganhar grana o suficiente pra parar de estudar/trabalhar e viver só tocando e transando com as milhares de groupies que aparecem nos shows, HAHAHAA. Nada man, nossos objetivos principais são os de gravar e lançar nossas paradas, tocar ao vivo, beber e farrar com os amigos.


Renato Batista - As passagens dos integrantes por outras bandas influenciam o som do Beast Conjurator?

Opressor -  Claro que sim, a forma pela qual Chakal executa a bateria traz além da peculiaridade da sua pegada, a experiência adquirida e maturada no Bonebreaker, Satyr nunca tocou baixo em nenhuma banda antes, mas está se saindo muito bem, e inclusive é o responsável por todas as letras dos sons que sairão no nosso primeiro disco, a parte de composição de fato tem ficado a meu cargo, e  com certeza os anos de Carrasco me ajudam nisso também.


Renato Batista - Tocar com o Carrasco atrapalha o Beast Conjurator ou não muda em nada para você?

Opressor – Pelo contrário, ajuda, hahaha. Por exemplo: os shows que estamos fazendo agora são provenientes de contatos meus por intermédio da Carrasco, os contatos com zines, bangers e selos que tenho são por intermédio da Carrasco, e é a partir deles (também) que vou divulgar o Beast Conjurator. Quanto a parte que eu considero a mais importante: composição, o Carrasco vai por uma veia de som que pode se assemelhar à algumas coisas do Beast Conjurator em alguns momentos, mas nossas composições vão por caminhos bastante diferentes, se você ouvir ambas as bandas, vai notar isso; se fosse para fazer duas bandas que fizessem o mesmo som eu não teria pensado no Beast Conjurator, posso garantir isso .


Renato Batista - Vejo que as influências da banda são: Hellhammer, Possessed, Pestilence... Poderia acrescentar alguma outra? E como cada uma dessas bandas influenciou o Beast Conjurator, em relação ao som, temática de letras etc.

Opressor – Man, tanto eu como os outros dois temos muitas influências pessoais, mas direcionando para o Beast Conjurator em si eu acrescentaria o Necronomicon (Ale), Mutilator (Bra), Poison (Ale), Mortuary Drape (Ita) e o grande Exorcist (Eua) que é uma banda que eu acho que revolucionou a forma de se fazer metal agressivo e obscuro.  Quanto à nossa temática, são abordados temas em consonância com o ocultismo, horror, Cthulhu mythos (H.P lovecraft em geral também), enfim, temas macabros em geral, fazer uma música e letras que remetam a esses temas é o nosso principal compromisso.

Renato Batista - A banda antes de começar a se apresentar ao vivo já têm/tinha shows marcados em Recife/PE, Campina Grande/PB e Natal/RN. A banda está sendo muito bem recebida pelo público, mesmo antes dos shows. Você acredita que isso acontece por qual motivo?

Opressor-  Acho que isso se deve ao nível e força das composições, como eu disse antes, quando começamos já tínhamos praticamente um disco todo pronto, essas músicas foram feitas paulatinamente ao longo de um ano e meio antes de começar a banda de fato. Nesse período, várias "cirurgias" foram feitas nas músicas, emendando um riff de uma com outra, adicionando outros riffs, jogando fora alguns, pensando em como será o refrão, chorus, etc, etc,etc.... todo esse momento "pré-banda" influenciou no resultado final sem dúvidas. De alguma forma, e deixando minha modéstia de lado, acho que o Beast Conjurator é uma banda que já começou madura, falo isso com embasamento nos comentários de pessoas escutaram um ensaio nosso divulgado entre amigos como se fosse uma espécia de "pré demo", esses foram em sua esmagadora maioria muito positivos. Falo também pela nossa experiência com outras bandas, mas principalmente pelo nível das músicas, digo isso porque tem milhares de bandas que se iniciam a partir, ou em paralelo a outras bandas, se fosse só por isso toda banda que fosse um agrupamento de membros de outras já nasceria foda, mas é sabida que não é bem assim.


Renato Batista - A futura Demo ainda vem esse ano? As gravações já começaram? Entrarão apenas as 4 faixas que a banda anda trabalhando? Já tem um nome certo? Fale-me sobre esse trabalho.

Opressor – Estamos vendo essa questão da demo, é certo que até o final do ano vamos soltar nosso myspace com algumas músicas etc.


Renato Batista - A banda trabalha atualmente com 4 músicas. Nestes shows que estão por vim, a banda pretende tocar alguma música inédita ou algum cover?

Opressor -  Todas as músicas são inéditas, porque nós ainda não lançamos nada oficialmente, hahaha. Mas sim, vão rolar 9 músicas autorais + um cover, quem for aos shows saberá qual é.


Renato Batista - Até o final de 2010 o Beast Conjurator se apresentará por algumas das principais cenas undergrouds do Nordeste e gravará uma Demo. Depois disso, quais os planos?

Opressor – Isso, sempre foda tocar nas cidades vizinhas e aqui em Recifezes. Depois disso queremos divulgar nosso material no meio especializado, compor novas músicas e tocar mais ao vivo.


Renato Batista - Agradeço a entrevista, a primeira de muitas da banda, parabenizo o som de vocês, e deixo o espaço para você falar ao público que está lendo agora.

Opressor – Eu que agradeço meu velho, para quem tiver interesse, temos um canal com alguns videos de ensaio no youtube e para quem quiser entrar em contato: armagedomegavatt@hotmail.com ou pecattorium@hotmail.com. Abraços.

Autoria: Renato Batista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se gostou da postagem, tem reclamação ou alguma sugestão. Comente!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...